Quase um ano após tragédia, famílias de vítimas da Chapecoense ainda não receberam indenização

Novos documentos foram apresentados aos familiares em reunião nesta terça em Florianópolis

Por Oeste Mais

22/11/2017 09:53


Quase um ano depois, parentes das vítimas do acidente aéreo com o time da Chapecoense ainda não receberam indenização judicial pela tragédia. No desastre, na madrugada de 29 de novembro de 2016, 71 pessoas morreram e seis ficaram feridas. O avião caiu quando estava perto de aterrissar no aeroporto de Medellín, na Colômbia.

 

A seguradora boliviana se nega a pagar as indenizações porque diz que o acidente foi provocado por um erro do piloto. Ofereceu US$ 200 mil desde que todos os parentes se recusem a entrar na Justiça. Como todos precisam aceitar a oferta, a hipótese é dada como pouco provável.

 

Nesta terça-feira, dia 21, em reunião em Florianópolis a pedido dos familiares das vítimas e de seus advogados, a Chapecoense apresentou documentos obtidos com a justiça boliviana.

 

"São três países envolvidos, cada um tem a sua legislação e a sua burocracia. E a dificuldade de receber documentos também, da Bolívia", disse Fabiene Belle, presidente da AFAV-C (Associação dos Familiares das Vítimas do Voo da Chapecoense).

 

O advogado da Chapecoense disse que a papelada apresentada não traz muitas novidades, mas não divulgou o teor dos documentos. "Praticamente todas as informações já eram de conhecimento, houve apenas um debate sobre quais os encaminhamentos técnicos que todos deverão tomar em relação à matéria", disse Tullo Cavallazzi Filho, advogado da Chapecoense.

 

A reunião durou quase três horas. Os parentes das vítimas deverão decidir qual o caminho jurídico para buscar as indenizações. As dúvidas aumentaram ainda mais na semana passada, com a divulgação da suspeita do Ministério Público Federal de Chapecó de que a companhia áerea LaMia, que até então seria a única proprietária da aeronave que caiu, tem outros donos.

 

Entre os advogados não existe consenso sobre como agir. "Eu acho que está muito difícil porque a gente não tem a quem processar ainda", disse Dauro Lesnik, advogado de uma das vítimas.

 

"O processo na Bolívia não é recomendável. Então vai ser um processo aqui no Brasil para buscar uma indenização contra os responsáveis", disse o advogado Joel de Paiva, diretor da Abravic (Associação Brasileira das Vítimas do Acidente com a Chapecoense).

Do G1/SC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.