Ex-padre ordenado em Ponte Serrada é condenado por matar esposa e abandonar o corpo

Maximino Vicenci vai cumprir pena de 13 anos e seis meses de prisão em regime fechado

Por Oeste Mais

11/08/2017 01:15 - Atualizado em 11/08/2017 09:29


Acusado de matar a esposa e deixar o corpo à beira da SC-418, na Serra Dona Francisca, o ex-padre Maximino Vicenci, que se ordenou em Ponte Serrada, foi condenado nesta quinta-feira, dia 10, a 13 anos e seis meses de prisão em regime fechado.

 

Ele confessou ter matado Teresinha de Moraes Soave, de 63 anos, em Balneário Piçarras, em março do ano passado, abandonando o corpo da mulher na Serra Dona Francisca, em Joinville. Maximino foi preso logo após o crime e aguardava pelo julgamento.

Maximino Vicensi foi condenado a mais de 13 anos de prisão por crime praticado em 2016 (Foto: Reprodução/Oeste Mais)

Em depoimento à Polícia Civil, o ex-padre confessou ter asfixiado Teresinha depois de uma briga porque queria impedir que ela lesse livros que ele considerava em desacordo com a religião cristã. Na noite do crime, uma vizinha chegou a ouvir os gritos e a interceder, mas o homem, de 44 anos, teria afirmado a ela que a mulher sofreu um surto e já estava tudo bem.

 

Após limpar o local do crime, Maximino enrolou o corpo da mulher em sacos plásticos e dirigiu por 50 quilômetros até a Serra Dona Francisca, em Joinville, onde abandou o corpo de Teresinha. Dois dias depois, ela foi encontrada perto de um mirante. No mesmo dia, Maximino registrou um boletim de ocorrência informando abandono de lar. Era uma forma de construir um álibi de que Teresinha havia ido embora de casa por vontade própria.

 

Em 6 de abril de 2016, no entanto, o homem se apresentou à polícia assumindo o homicídio e colaborou com as investigações. Como já estava preso preventivamente, com a decisão desta quinta, continua detido. A condenação foi por homicídio qualificado, por ter asfixiado a vítima, e também por ocultação de cadáver.

Com informações do DC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.